7 benefícios da soja preta

Se você acompanha os posts do Direto do Forno já sabe de tudo sobre a soja, famosa perder as calorias de alimentos deliciosos. Mas você já ouviu falar na soja preta?

É um alimento mais comum na Ásia e é bem parecida com a soja amarela, que conhecemos. O que diferencia os dois tipos, não é só a cor da casca, mas sim os elementos contidos nela, como isoflavonas, fibras, proteínas, vitaminas, minerais, além de ter antocianina, substância que reduz o colesterol e ainda ajuda a emagrecer, a soja preta é uma grande aliada de quem sofre problemas renais, pois ela é também rica potássio.

É a famosa casca da soja preta que os sete benefícios aqui listados. Confira:

1 – Anti doenças do coração: São as antocianinas presentes na soja preta que previnem o isco de doenças cardiovasculares como hipertensão e derrames.

2 – Fortalece o tratamento da diabetes: Graças ao alto teor de fibras, a soja preta ajuda a controlar os níveis de glicose no sangue, bom para quem está se tratando contra a diabetes.

3 – Ativa o intestino: A soja preta é também uma aliada para quem sofre de prisão de ventre, pois há fibras existentes na soja preta que estimulam a flora intestinal.

4 – Combate o câncer: Segundo realizado pela Universidade Católica da Coreia do Sul, as antocianinas presentes na casca da soja preta podem ajudar as células cancerosas a se autodestruírem.

5 – Aliada no emagrecimento: Outro estudo da mesma universidade comprovou que as antocianinas também atuam nas células de gordura, consequentemente ajudando a emagrecer.

6 – Combate o envelhecimento: Na soja preta é possível encontrar quase sete vezes mais antioxidantes, conhecidos como fitoesteróis, do que a soja amarela tradicional. Eles ajudam a retardar o envelhecimento da pele.

7 – Conserva nutrientes: Ao cozinhar algum alimento, é comum se perder alguns nutrientes durante o processo de aquecimento, mas a casca escura da soja preta atua como uma protetora e ajuda a conversar todos os nutrientes já citados acima, ou seja, pode consumir sem medo de ter perdido todos estes benefícios.

Ringue da saúde: Manteiga vs Margarina

É uma tradição há muito tempo no Brasil, incluir o pão francês ao café da manha, recheado com manteiga ou margarina. Para quem quer equilibrar as calorias já presentes no pão, é importante tomar cuidado com o peso no recheio, mas então fica a dúvida: qual é mais saudável? A manteiga ou a margarina?

Manteiga:

Por muito tempo, considerada uma vilã por conta da gordura saturada, logo foi descoberto que esta gordura presente na manteiga é na verdade uma pequena quantidade. A mesma gordura está presente no leite, no queijo amarelo e na carne vermelha, que também consumimos quase todos os dias.

A manteiga só é completamente restrita para quem tem colesterol alto e pretende controlar o problema, do contrário, é possível comer uma pequena quantidade por dia, espalhada no pão.

Margarina:

Enquanto isso, a margarina tem como ponto negativo seu processo de fabricação, hidrogenação do óleo, o que gera gordura trans. Esta gordura faz muito mal a saúde, até mesmo mais do que a gordura saturada, pois consegue atingir os vasos sanguíneos e elevar o risco de infarto e AVC por entupir os vasos no nosso corpo.

Gordura por gordura… Nenhuma

Se você prefere mesmo não arriscar ingerindo ambas as opções por causa da gordura, uma opção são as receitas de manteiga ou margarina a base de óleo de oliva. Ou ainda escolher os tipos light e sem sal na hora das compras.

Você pode ainda optar por diferentes recheios para seu café da manhã, como requeijão e peito de peru, que são ambos mais leves em contraste com os carboidratos do pão.

Especial Copa: Receita dos campeões

Depois de um mês de jogos incríveis, de surpresas vindas das seleções menos esperadas e decepções vindo das mais aclamadas (infelizmente a nossa Seleção brasileira está entre estas) a Copa do Mundo FIFA 2014, que foi sediada pelo Brasil chegou ao fim com um grande campeão em pleno Maracanã: a Alemanha.

A Massima mostrou ao longo do mês a história, dicas, receitas e outras curiosidades sobre os hábitos alimentares e comidas típicas dos países que fizeram grandes jogos no Mundial, e hoje, sabendo do campeão da disputa, não seria diferente.

Para nós brasileiros o gosto da receita de hoje vai sair especial. Claro que preferíamos que o Brasil tivesse jogado e vencido a final, ao invés de nossos carrascos, que nos tiraram da competição e ainda com sete gols! Mas nesta Copa, a Alemanha tornou difícil odiá-la.

"Nós não vamos deixar a Argentina ganhar na sua casa" | Fonte: DailyMail

A seleção Alemã chegou ao Brasil e construiu o seu próprio Centro de Treinamento, e toda a estrutura foi doada a prefeitura da cidade de Santa Cruz Cabrália, onde se hospedaram. Além disso, eles investiram 10 mil euros na educação dos índios da região. Não bastando toda esta prestação de serviço, os alemães foram muito humildades e gentis aos brasileiros dentro e fora de campo, mandando mensagens de apoio e agradecimento.  Isso tudo somado ao fato de que eles jogariam a final contra a nossa grande rival na história do futebol, a Argentina, fez com que os brasileiros comemorassem junto a conquista do Tetra.

Já que estamos empolgados com o resultado do Mundial, vamos dar os méritos a seleção de Joachim Löw e comemorar com a receita do prato mais tradicional deles, o Chucrute, que é fácil, saboroso, e pouco calórico para compensar o seu acompanhamento: carne de porco.

Você vai precisar de:

1 repolho grande cortado em tirinhas
2 xícaras (chá) de água
1 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) de óleo
2 dentes de alho esmagados
2 cebolas picadas
1colher (café) de pimenta-do-reino
2 folhas de louro
12 cravos
1/4 de xícara (chá) de açúcar
1 gengibre pequeno esmagado
2 xícaras (chá) de vinho branco seco
1 colher (sopa) de farinha de trigo
1/2 colher (chá) de suco de limão
1/4 de xícara (chá) de creme de leite

Modo de preparo:

Em uma panela, deixe água e sal fervendo, e depois junte repolho picado, deixando ferver por mais dois minutos. Escorra a água e reserve.

Depois aqueça o óleo e refogue o alho e as cebolas até dourar. Acrescente a pimenta-do-reino, o louro, os cravos, o açúcar e o gengibre. Junte o vinho e a farinha de trigo e misture mexendo bem. Ponha o suco de limão dissolvido no creme de leite. Continue mexendo e retire do fogo. Regue o repolho aferventado e sirva em seguida.

O prato é tradicionalmente serviço com carne de porco, e um bom acompanhamento, bem clássico dos hábitos dos alemães, é a cerveja. Mas cuidado com os exageros. Prefira a versão light, mesmo para comemorações.

Especial Copa: O peixe holandês

Hoje nós vamos falar sobre a culinária do país que será o próximo adversário do Brasil na Copa do Mundo FIFA 2014, a Holanda.

Pois é, infelizmente, não é o jogo que gostaríamos de ver a nossa seleção participar, já que se trata da disputa pelo terceiro lugar no Mundial, e com um país que, ao contrário do Brasil, teve um jogo acirrado na semi-final.

Mas sempre podemos aprender coisas boas com nossos adversários, por isso, além da técnica Holandesa em campo, o time brasileiro pode se aproveitar de uma opção nutritiva para fortalecer o corpo e ganhar este jogo, o Haring, peixe tradicional da Holanda.

O que é: 

O Haring é um peixe holandês tão tradicional que é vendido nas ruas do país, principalmente em Amsterdã. Costuma ser consumido cru com cebolas cortadas em cubos pequenos e picles, ou cortado em porções e até como cheio de pães. São encontrados a venda em supermercados holandeses, na maioria das vezes embalados a vácuo para não perder suas propriedades.

Benefícios:

Os benefícios do peixe a saúde é conhecido de muitos. Se consumido duas vezes por semana, pode combater a anemia, previnir a osteoporose e ainda fortalecer a formação da pele, cabelo e unhas. Tudo isso graças a forte concentração de ômega 3 presente no alimento.

Consumindo o peixe cru, como os holandeses fazem com o Haring, estas e outras propriedades estão mais ativas e podem ser ainda mais benéficas.

Agora é hora de torcer para que este fim de Copa seja cheio de jogos emocionantes. No sábado o Brasil estará contra a Holanda pelo terceiro lugar, e no domingo a grande final será entre nossos eternos rivais argentinos contra os carrascos alemãs que nos eliminaram, e agora? Para que lado vai sua torcida?

Especial Copa: Alimentação saudável nos EUA

As oitavas de final da Copa do Mundo 2014 é sem dúvida, a mais disputada de todas as Copas. Os jogos estão cada vez mais difíceis, e até os favoritos, os países campeões mundiais ou com estrelas em campo, tem sofrido para passar. Por isso esta edição no Brasil do Mundial já é considerada a Copa das Copas.

Depois do sufoco do Brasil no último sábado, presenciamos ontem o sufoco da Bélgica, que foi barrada quinze vezes – isso mesmo, quinze! – pelo goleiro americano Tim Howard e só conseguiu passar com o gol de Rumelu Lukalu nos acréscimos!

E os Estados Unidos, sem muita tradição no futebol, usou o espírito competitivo além de boa preparação física para dar este trabalhão  nas oitavas. Já imaginou como deve ser para os jogadores americanos, manter uma alimentação saudável para o corpo de atleta, no país do fast-food?

A alimentação nos EUA é a preocupação de boa parte dos estrangeiros – principalmente os brasileiros – que gostariam de visitar o país. Pensando nisso, a Massima preparou um guia que prova que é possível alimentar-se bem na América.

1 – Não é só de fast-food que vive o americano

Claro que há outras boas opções de restaurantes. Há redes especializadas em carnes com pratos saborosos e ricos em ferro. Além disse, há a tradicional comida por quilo, onde você pode ter a alternativa de compor o prato como fazia no Brasil, dividindo fibras, carboidratos, ferro e tudo mais que precisar. Antes da viagem, verifique quais opções a cidade em que você vai ficar oferece.

2 – Faça você mesmo

Se você prefere ir para a cozinha e fazer seus próprios pratos, nos EUA isso também é possível. Num supermercado tradicional, fique atento na partes superiores das prateleiras, pois de fato, os hábitos de fazer a própria comida com ingredientes saudáveis é deixado de lado e a primeira vista você vai enxergar primeiro os enlatados e industrializados.

Há supermercados especializados na venda de produtos orgânicos, que podem ser identificados por adesivos e pela embalagem. O mais famoso no país é o “Whole Foods”, onde se oferece opções para veganos e intolerantes a lactose.

3 – Pratique esportes!

Em contraste com os péssimos hábitos alimentares que tem tornado boa parte da população americana obesa, os Estados Unidos é também um país muito competitivo e incentivador da prática de esportes. Desde a infância as crianças são direcionadas a práticas na escola e isso continua a ser um incentivo até na hora de entrar na faculdade. Os parques nas cidades estão sempre lotados de corredores e ciclistas que gostam de fugir do trânsito para se exercitar, e as praias, cheias de times de volei, além dos surfistas.

Então, nada melhor que aproveitar esta vida ativa do americano para praticar esportes, pois não basta alimentar-se bem, tem que por o corpo para funcionar. É muito fácil encontrar academias especializadas ou não, em um determinado esporte, além disso os grupos podem estar também pelos parques. Se intere nos hábitos, seja ativo, e ainda faça amizades com quem tem as mesmas preocupações que você: a vida saudável.

Os EUA estão fora da Copa do Mundo de Futebol, mas não da luta por uma vida saudável, basta querer. E agora? Já está fazendo planos para a viagem?