Alimentação saudável para adolescentes

Em época de volta às aulas, é normal se preocupar com a alimentação das crianças, e como mante-las comendo de forma saudável mesmo longe do olhar preocupado dos pais. Já demos diversas dicas para que você possa garantir uma boa alimentação para seu caçula no período escolar, agora vamos pensar no adolescente.
É normal que na adolescência os jovens comecem a buscar sua independência. Muitos pais, mesmo preocupados, acabam concordando com essa mudança de comportamento, que é normal para o desenvolvimento social do jovem, mas é preciso lembrar que, mesmo tendo passado da puberdade, o seu filho ainda está em fase de crescimento, e sua alimentação é parte importante do processo.
Por isso, a fiscalização da alimentação do adolescente durante o período escolar é tão importante quanto a fiscalização para a criança. Principalmente com as tentações que ele pode encontrar na cantina, ou até no caminho para a escola.
E é claro que é possível ter todos os cuidados com a alimentação do seu filho adolescente, sem tirar seu senso de liberdade, confira as dicas:

1 – Entenda esta fase: Do que o adolescente precisa?
Primeiro é importante entender a importância dessa fase na vida de seu filho, suas mudanças hormonais e fisiológicas, e a parte importante da alimentação nesse processo de crescimento.
Ferro: A partir dos 13 anos, há um ganho de massa muscular e óssea no corpo do jovem, que aumenta a necessidade de ferro nesta fase. Cerca de 13% dos adolescente têm reserva de ferros baixas graças a escolhas alimentícias nada saudáveis, como salgados gordurosos e lanches fast food.
A falta de ferro pode, além de atrapalhar no desenvolvimento, causar anemia. Para as meninas, é preciso de um reforço de ferro maior durante a menstruação.
Cálcio: 25% dos adolescentes ingerem cálcio em quantidades inferiores às recomendadas para garantir uma vida adulta sem preocupações com a saúde óssea.
Os ossos crescem até os 30 anos de idade, e o período da adolescência é o mais importante para o desenvolvimento. Os ossos precisam de vitamina D, cálcio e fósforo para crescerem com normalidade e força. A dose diária na fase da adolescência, varia de 800 mg a 1,000 mg.
É preciso que o hábito de infância de tomar leite permaneça durante a adolescência. O leite é a fonte mais rica de cálcio, e pode garantir a quantidade necessária diariamente.
Consequência da má alimentação: Comendo mal na adolescência, o jovem corre o risco de desenvolver além de anemia, problemas de crescimento, e a osteoporose, o jovem pode dar mais chances às doenças genéticas e ainda perder a imunidade. Há riscos de alergias, infecções e obesidade.
2 – Convencendo o jovem a comer bem: 

Leve a conversa não só para a linguagem deles, mas também para o interesse. Expliquei que a boa alimentação é importante para seu desenvolvimento e crescimento, de forma que respeitando as necessidades de seus corpos, vão ter mais resistência para praticar esportes, estudar, sair com os amigos ou realizar qualquer outra atividade que os agradem sem sono ou cansaço, que não deveria existir nesta faixa etária.
Há ainda o importante argumento de que ficarão mais bonitos com uma aparência saudável, na fase da paquera, este ponto é importante para eles.
O jovem ficará mais estimulado quando perceber resultados, que são rápidos, pois o metabolismo é acelerado nesta fase.
3 – Rotina:

Estabeleça uma agenda ou um cronograma diário de alimentação para que o jovem o siga. Não é preciso explicar todos os nutrientes que ele deverá consumir, para que ele não perca o interesse.
Também não precisa pegar no pé e tentar supervisionar mesmo de longe se a agenda esta sendo cumprida. Dê confiança, e em troca busque resultados que comprovem esta disciplina.
Trabalhe com o mérito: se ele mostrar os resultados de uma alimentação saudável, cada vez mais ganhará sua confiança para realizar atividades sozinho e conquistar a tão sonhada independência.

Tags:

Deixe uma resposta