5 dicas para combater a obesidade infantil

Nesta semana temos duas datas muito importantes, a primeira, no dia 11, é o Dia Nacional da Prevenção da Obesidade, data criada há dez anos pela Federação Latino-Americana de Obesidade e reconhecida pelo Governo Federal em 1999, e no dia 12, o Dia das Crianças.
Dois assuntos que nos preocupamos hoje em dia, a alimentação das crianças, que se vêem cercados por opções calóricas e a consequência do excesso, a obesidade, que pode levar a complicações como diabetes, hipertensão, lesões nos ossos e articulações, infarto e outras enfermidades.
A obesidade tornou-se uma epidemia que faz cada vez mais crianças terem que recorrer a medicamentos e tratamentos prescritos para adultos ou idosos. Uma pesquisa da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2009, mostrou que cada três crianças de 5 a 9 anos estava acima do peso recomendado.
Claro que programas e ajudas do governo são necessárias, uma vez que o problema tornou-se mundial. Mas é preciso que os cuidados comecem em casa, com  a supervisão dos pais sobre os hábitos e alimentação dos filhos, lembrando que seus próprios hábitos os influenciam.
Para evitar ou combater este mal, preparamos um guia das providências a serem tomadas:
1 – Refeições completas e horários:
As crianças tenham de cinco a seis refeições diárias, principalmente café da manhã, almoço e jantar, alternando com lanches nos três períodos.
É importante que sejam refeições completas e saudáveis, sem petiscos com salgadinhos e doces, além de se estabelecer horários, para que a criança aprenda a importância de cumprir a obrigação de comer bem.

O típico arroz e feijão não pode ser descartado, e sempre encorajado, além de cereais integrais, laticínios, legumes e verduras. Adicionando frutas como opções de sobremesa, concentrado as refeições em nutrientes.
2 – Valorize o ambiente familiar:

Não se deve incentivar a preguiça, hoje é comum que crianças queiram realizar atividades simples diariamente em frente a televisão, por exemplo.
Mantenha diariamente um ambiente familiar, em torno da mesa, valorizando o horário da refeição, lembrando a criança que aquela é hora de parar e se concentrar em comer.
Crie diálogos e brincadeiras para ajudar a criança a se interessar pelo seu prato, mas não insista em a fazer comer, o clima de repressão vai fazer com que a criança não goste daquele horário.
3 – Monitore os lanches na escola:
É sempre recomendável que a criança leve o lanche da escola de casa, onde pode encontrar mais facilmente opções saudáveis, como fruta, sanduíches naturais e biscoitos.
Evite bolachas recheadas, refrigerantes, salgadinhos e refrigerante, estes alimentos podem interferir negativamente no apetite das crianças e atrapalhará as outras refeições do dia.

É importante que a criança saiba a importância de levar os lanches saudáveis para a escola, os pais devem explicar que é para o bem de sua saúde.
Se em último caso, a criança não puder levar lancheira para a escola, e tiver que comer a merenda ou comprar comida no local, peça a diretora para mostrar o cardápio semanalmente ou visite a cantina e as opções a serem vendidas, explique ao seu filho quais alimentos pode escolher dali.
4 – Incentive a prática de atividades físicas:
Mais uma vez é importante a participação da família, passeios de bicicleta, corrida e futebol na praia ou no parque e até pular corda em família é estimulante. A criança vai querer sempre repetir as atividades e convidar os amigos para elas.
Se o video-game sempre acabar vencendo na negociação, apresente jogos interativos, de esportes, obrigando a criança a se mexer, até que ela comece a se interessar por estas atividades do lado de fora do próprio quarto.
5 – Estimule a mudança no estilo de vida:
As crianças aprendem por imitação, todas estas dicas devem ser seguidas pelos pais, não somente pela criança. Dessa forma ela vai aprender quais os hábitos corretos a se seguir e vai leva-los para a vida toda.
O risco de doenças crônicas não transmissíveis como a obesidade pode ser modificado com esta melhora de estilo de vida, portanto, invista no seu filho agora, pensando em seu futuro saudável.
Leia mais:
Mais dicas sobre como montar uma lancheira saudável para seu filho
Alimentação para crianças

Tags:

Deixe uma resposta