Receita: Maçã assada

A maçã pode ser uma delícia o ano inteiro, não só no verão, geladinha recém-saída da geladeira. No inverno, você pode tirá-la do forno!

Já conhece o sabor da maçã assada?  Confira esta receita:

maã

Você vai precisar de:

– 6 maçãs gala

– 6 colheres (sopa) de mel

– 1 colher (chá) de canela em pó

-12 pedaços de canela em pau

– Papel-alumínio

Como fazer:

Corte a parte superior das maçãs como uma tampa e retire o miolo, removendo as sementes.  Recoloque a tampa e arrume as maçãs em uma panela média com água suficiente para cobrir até a metade. Tampe e leve ao fogo alto. Deixe ferver até que fiquem macias, você poderá sentir a diferença espetando o garfo depois que começar a ferver. Depois de amolecida, retire a maçã do fogo, e escorra.

Enquanto você deixa o forno aquecer, retire retire a tampa e preencha a cavidade com metade do mel misturado à canela em pó. Finalize colocando a canela em pau e tampe novamente. Arrume a maçã sobre o papel alumínio e regue com mais mel. Leve ao forno coma maçã aberta, por isso não se esqueça de tirar a tampa antes de fechar o alumínio. Não o feche totalmente, deixe uma fresta. Depois coloque em uma assadeira e leve ao forno  por 20 minutos.

Depois é só retirar do forno e remover o papel-alumínio. Você pode enfeitar a maçã assada quando coloca-la no prato para servir, colocando pedaços de canela em cima da parte aberta.

Vença a rinite alérgica com soluções naturais

Espirros constantes que deixam o nariz dolorido, avermelhado e inchado. Coceiras nas mucosas, olhos lacrimejantes e vermelhos, e também coçando. Estes são os sintomas da rinite alérgica, que atrapalham qualquer um.

A rinite alérgica é uma reação imunológica do corpo a partículas conhecidas como alérgenos, que são  consideradas estranhas, podendo mudar para cada indivíduo  e suas fraquezas com tais substâncias. Elas são inaladas principalmente pelo ar.

O seu rosto se torna a parte do corpo que mais odeia quando a rinite alérgica ataca. A irritação é constante e incomoda muito, pior ainda se você estiver no trabalho ou estudando, quem consegue ler com os olhos tão irritados ou se concentrar quando a dor de cabeça vem?

Os  anti-alérgicos são ótimos para combater os problemas, e reduzir a irritação, evitando que piore, mas para algumas pessoas podem provocar sono e continuar a atrapalhar.

rinite

As melhores e mais eficazes alternativas para amenizar os danos da rinite, podem ser muito mais práticas, com os métodos naturais. Confira estes remédios naturais que prometem combater cada problema da rinite:

– Óleo de nigela: Ajuda a harmonizar a confusão que fica o sistema imunológico durante a crise de rinite. A forma mais fácil de consumo é a versão vendida em capsulas, e a ingestão de duas por dias, durante três meses pode prevenir as crises mesmo quando você estiver exposto a ambientes que provocam sua alergia.

– Vinagre de maçã: A mistura de uma colher de chá de vinagre de maçã e 1/2 copo de água é suficiente para aliviar a crise de rinite alérgica, prefira tomar sempre pela manhã.

– Alimentação: A vitamina C (presentes nas frutas e hortaliças) e o magnésio (em noses e produtos à base de leite e cereais) fortalece o sistema imunológico e ajuda amenizar a reação alérgica. Manter uma alimentação rica em Vitamina C e magnésio ajuda a se prevenir e fortalecer contra as crises.

– Bolsas nos olhos: Para aliviar aquela queimação na região. Podem ser quente ou frias, o que você preferir.

– Ducha nasal: Quando a crise de rinite começa, por insistindo já dá aquela vontade de lavar o nariz. A ducha nasal ajuda a diminuir a irritação usando método parecido. Utilize o aparelho correto, com cloreto de sódio dissolvido dissolvido com uma colher de chá de sal de cozinha em 200 ml de água morna. Se você fizer o procedimento antes de ir pra cama, pode conseguir uma noite de sono mais tranquila.

Diminuindo as calorias do arroz

Sempre tão popular no Brasil, compondo o prato nosso de cada dia, o arroz tem perdido preferência do consumidor que quer emagrecer devido à necessidade de cortar a quantidade de carboidratos que consumimos todos os dias por causa de nossos hábitos alimentares.

O alimento consumido por mais de 90% da população tem sido considerado um inimigo da dieta, considerando que em somente uma xícara de arroz cozido preparado da forma mais tradicional do brasileiro, usando óleo e manteiga, tem 200 calorias, sendo a maior parte delas do amido, que é processado em forma de açúcar e armazenado como gordura quando em excesso.

Para quem está determinado a emagrecer, a necessidade de cortar o arroz da alimentação é comum, porém difícil de cumprir, uma vez que o alimento é tão comum no nosso prato. Mas e se houvesse uma forma de tornar o arroz mais saudável e menos calórico?

arroz2

Esta é a pesquisa de Cientistas da Faculdade de Química do Sri Lanka, que encontraram uma alternativa para diminuir as calorias do arroz em 50%, e ela se encontra no modo de preparo.

A receita dos pesquisadores é bem simples:

Você ferve a água na panela, preparada para receber o arroz, mas antes de adicioná-lo, coloque óleo de coco no líquido, uma quantidade de 3% do peso do arroz a ser preparado. Depois de pronto, coloque o arroz na geladeira por 12 horas. Isso mesmo, ele deve se requentado, para ser servido.

arroz

Funciona?

Em alimentos como milho, batata e é claro, o arroz, existem tipos diferentes de amido, no caso do arroz, ele é digerido pelo corpo e transformado em glicose e posteriormente gordura, outros tipo são mais resistentes e demoram mais para serem processados pelo seu organismo, sendo menos absorvidos e eliminados, consequentemente armazenando menos gordura no corpo.

Outras pesquisas já comprovaram que o modo de preparo pode alterar a forma do amido e transforma-lo em uma substância que seria facilmente absorvida pelo corpo, em algo mais resistente. E esse método de preparação do arroz propõe exatamente este efeito.

Ao receber um liídio (que é o óleo de coco) antes do seu cozimento, e ser resfriado logo depois do processo, passa por um processo químico que muda sua composição e a torna melhor para seu consumo. Com este método os pesquisadores reduziram as calorias do arroz menos saudável em 12% e do tipo mais saudável em 50%.

Os estudiosos procuram por meios de tornar essa redução ainda mais expressiva, e aplica-la ao preparo de outros carboidratos. Por enquanto, vamos começar a emagrecer nosso arroz de todos os dias?

Sobrou Ovo de Páscoa? Recicle!

Depois da Páscoa, muito provavelmente a sua geladeira ficou cheias de embalagens abertas de ovos de chocolate. Principalmente, se você tem crianças em casa, que gostam de abrir o presente em busca do que brinde que vem dentro, e até esquecem do doce.

Com o tempo, as embalagens abertas podem não serem mais aproveitadas, e comer tanto chocolate em tão pouco tempo pode até fazer mal ao estômago, por isso, a solução pode ser bem mais simples do que se pensa: é só reciclar!

– Conservação:

Antes de reutilizar o chocolate dos Ovos de Páscoa em outras receitas, é importante se certificar que eles foram bem conservados, para evitar problemas desagradáveis no futuro.  Os ovos devem ser armazenados em um local fresco e seco, longe de produtos com aroma muito forte, pois o chocolate absorve cheiros com facilidade, então se organize bem ao colocar na geladeira, e feche bem as embalagens depois de abertas pela primeira vez.

ovos

 

Mesmo que o ovo ainda não tenha sido aberto, e sabendo que vai demorar para abri-lo com tantos outros na fila, o ideal é guardá-lo em um recipiente com tampa, evitando ao máximo o seu contato com o ambiente externo.

– Derreta e reaproveite:

Se o ovo for todo feito com chocolate ao leite, é possível derretê-lo e utilizá-lo em diversas receitas, como mousses, coberturas, bombons, etc. Se houver outro sabor misturado, você pode triturar e usar como base para cheese cake juntamente com as tradicionais bolachas, ou mesmo para alguma receita específica com aquele tipode de chocolate.

Para derreter, coloque pedaços do ovo em um recipiente de vidro e leve ao microondas por 30 segundos. Retire, mexa e repita o processo até encontrar a consistência desejada. Depois que estiver pronto, é só utilizar na receita desejada, servir para a família, economizar espaço na geladeira, e ainda com variação de sobremesa!

Mitos e verdade sobre saúde

Neste Primeiro de Abril, a Massima não quer deixar você cair em nenhuma pegadinha, menos ainda quando se trata de sua saúde, assunto que levamos mais a sério.

medica-pacientes

Por isso listamos quatro grandes mitos que sempre ouvimos sobre a saúde e desvendamos se eles são reais e devem ser mesmo levados a sério ou não. Não se deixe enganar e confira:

– Beber água com açúcar acalma:

A mistura pode gerar um alívio psicológico no início, mas não produz um efeito tranquilizante diretamente nos nervos do corpo, que é os que precisam estar estáveis para acalmar uma pessoa. O açúcar é fonte de energia, e pode provocar o efeito contrário ao desejado. Na hora do estresse, as melhores opções seriam chá de camomila ou erva-doce, ou ainda um lente morno.

– Uso de celular e outras tecnologias podem causa tumor cerebral:

Muitos estudiosos tentaram comprovar esta teoria, mas não conseguiram encontrar relação alguma entre o uso de tecnologias e o surgimento de tumor no cérebro. Por enquanto, a única comprovação científica é que o celular pode uma pequena interferência eletromagnética em aparelhos hospitalares, por isso é recomendado que sejam desligados durante consultas, exames ou operações cirúrgicas.

– Doar sangue engorda:

E por que engordaria? Nada é ingerido pelo doador ou infundido em sua veia. Mas o processo nem tampouco emagrece por retirar uma grande quantidade de sangue do doador. O volume doado, no máximo 450ml, é reposto pelo organismo nas primeiras 24 horas após o ato. Aproveitando o assunto é bom esclarecer que doar também não engrossa o seu sangue, nem causa dependência.

– Alimentos diet têm menos calorias:

Os produtos diet costumam ter menos calorias sim, pois eliminam ingredientes de sua composição, principalmente o açúcar. Mas ele especificamente para atender quem precisa de uma dieta especial, principalmente os diabéticos.